Relatos

Desculpe tenho que falar sobre ter me tornado TIA.

Eles me ligaram as 6 da manhã, as contrações estavam acontecendo desde a meia noite. Era meu rodízio, desesperei minha mãe que ainda não sabia de nada. A Doula Maravilha me salvou de um treco, xééé vai demorar umas 10 horas ainda.
Arrumei a mala, alimentei os gatos, o passarinho, tomei banho e só sai de casa as 10 horas. Cheguei meio dia. MEIO DIA, trânsito dos Bandeirantes, digo, do capeta!
Todo mundo nervoso, ansioso, parto em casa, água fervendo no fogão.
O banheiro, cheirando a ervas, ela cheia de ervas, tinha erva até no bebê que ainda não tinha nascido. Ok, isso é exagero meu, adoro hipérboles, vou chamar de licença poética!
Entre compras e passeios o dia se foi, o cansaço chegou. Tensão. As parteiras, enlouquecendo com/e a família.
Na banheira ela dormia entre as contrações, tava foda, mas tava lindo. Tocou Zé Ramalho e em silêncio chamamos o bebê "Tu vens, tu vens eu já escuto teus sinais" era realmente um sinal. Agora tava muito foda, ela tava exausta, nós estávamos lá curtindo o momento.
E com uma força animalesca, mamífera, Deusa (louca, feiticeira) ela o trouxe ao mundo. Foi lindo, foi mágico, brutal. Em meio a berros e lágrimas ele nos apaixonou!
Ana Lu Sergio obrigada por me permitirem participar desse momento único!
Samara o que você fez por toda família é inacreditável, nunca dinheiro nenhum no mundo vai pagar. Mas torço pra que vc fique muito ryca com seu trabalho pois vc é A Doula!

Relatos

O depoimento de um pai historiador

Hospitalar

Minha experiência gestacional e de parto: o depoimento de um pai historiador. A minha esposa (Érica Ramos gatíssima e lindona) e...

Nascimento do Otto - Larissa Pereira e Juliano Baltazar e Nina Baltazar

Domiciliar

A chegada de Otto Pela segunda vez, meu marido Juliano e eu estávamos prestes a vivenciar um dos momentos mais lindos...